Todos os posts de Jean Lafond

Queijo frescal artesanal

Jpeg

Sempre que posso, tento fazer de minha alimentação a mais artesanal possível. Portanto tento fazer dela a menos industrializada possível, e isso inclui queijos.

Já compartilhei com vocês em outro post a receita de meu requeijão caseiro.  Agora compartilho outra receita que gosto muito e que faço sempre em casa. Fica mais barato que os queijos cotages tradicionais, a receita rende 500g de queijo tipo frescal e custa R$3,00. A textura é ligeiramente diferente, pois é um queijo artsanal sem prensagem, tornando-se mais úmida e mais cremosa que os industrializados e os artesanais tradicionais.

Para facilitar o processo é você necessitará de uma iogurteira elétrica. Ela Resultado de imagem para iogurteiramantem a temperatura de maneira controlada por várias horas e dessa forma isso será importante para fazer um queijo controlado e livre de microorganismos.

A iogurteira deverá ser daquelas de base única e que normalmente cabe 1L de leite como a da foto ao lado.

Um adendo importantíssimo: todos os utensílios, tigelas e quaisquer outros objetos utilizados na elaboração do queijo, deverão primeiro serem fervidos por 15 minutos. Depois de esterelizados, tomar cuidado para não encostarem esses objetos em nenhum lugar contaminante novamente. Utilize sempre luvas descartáveis nesse processo. Assim você garante um controle microbiológico mínimo.

Para o descanso da massa coalhada, você irá precisar de um pano fino virgem (ou seja, Imagem relacionadaque nunca tenha usado em nenhum tipo de situação), eu particularmente uso pano de fraldas, daquelas de tecido fino como a da foto ao lado. Não se esqueça de ferver o pano ante de usar para fazer o queijo. Quando terminar o queijo, basta lavar individualmente com detergente e armazená-lo em um local sem contaminantes. Particularmente, eu coloco o pano limpo dentro de um saco plastico e guardo no congelador. Assim evito que crescam fungos, bolores e bactérias indesejáveis no pano.

Vamos a receita.

  • 1L de leite UHT
  • 75ml de vinagre de maçã
  • temperos e ervas aromáticas de sua preferência
  • sal a gosto

Modo de preparo:

  • colocar o leite na iogurteira;
  • acrescentar o vinagre;
  • mexer com uma colher de inox até que o leite talhe;
  • ligar a iogurteira e deixar funcionando por 8 horas;
  • ao final, pegue o pano limpo e cubra sobre uma tijela e faça com o pano, similar à um coador de pano para coar café.
  • despeje a massa sob o pano e deixe escorrer todo o líquido, feche o pano com a massa de queijo dentro e esprema formando uma bola (cuidado para não espremer muito e deixar a massa muito seca e sem humidade.
  • antes de deixar a massa de quejo descansar, tempere do seu gosto, colocando: sal, pimenta, ervas, nós moscada ou qualquer outra especiaria para dar sabor ao seu queijo.
  • pegue o coador de inox e coloque-o sobre uma tijela pequena e coloque a massa de queijo espremida ( e ainda com o pano), dentro dele. Coloque na geladeira e deixe escorrendo por 4 a 5 horas aproximadamente.
  • ao término desse tempo, abra o pano e coloque a massa de queijo em um recipiente que deseje e seu queijo pronto para ser servido.

Outra maneira de temperar seu queijo é fazendo a prensagem por fora. Dessa forma: podese colocar ervas ou mistura de ervas com pimentas sobre a massa fresca de queijo e colocar uma prensa por cima dela conforme a foto abaixo.

Resultado de imagem para queijo artesanal temperado

 

 

 

Vamos usar mais as folhas!

Resultado de imagem para brocolis refogado com cenoura

 Há 20 anos que trabalho em restaurantes, e nesse meu pequeno tempo como cozinheiro, sempre vejo desdenho com relação as folhas principalmente às que o mercado declararam como inúteis. 

Deixar as folhas de cobertura dos vegetais antes de tudo é uma questão de economia. Imaginem uma caixa de cenouras onde nessa caixa estivessem todas as folhas de sua cobertura? Seria fisicamente impossível colocar os 20kg de cenoura que comumente cabem dentro dela. Ou seja, mais caixas para transportar menos cenoura, mais custo com transporte, mais custo com a própria caixa. 

Dessa maneira, o mercado declarou como improdutivo e inútil todas as folhagens de vegetais. 

Alguns até vemos com mais frequência, como é o caso do brócolis. Que ainda vemos em muitos mercados sendo vendidos com suas folhas. Mas que infelizmente acabam por tornar-se lixo quando chegam na casa do consumidor. 

Mesmo em restaurantes, local de produção excessiva de comida, onde deveríamos primar pela reutilização dos alimentos e diminuir o desperdício. Sempre vejo narizes tortos para essas folhagens. Há de se imaginar em um buffet a quilo de um restaurante famoso um arroz feitos com talos e folhas de brócolis? 

Infelizmente até os próprios consumidores vêem esse tipo de preparação como sendo de segunda categoria. Ou então algo do tipo: “eles não estão com dinheiro para comprar Brócolis, e usaram as sobras das folhas.” 
 

Pão Australiano caseiro

P_20170330_191202.jpg

Agora amigos leitores, vocês não precisam mais ir ao OUTBACK para degustarem aquele maravilhoso pão australiano que é servido por lá.

Pois este que ensinarei é tão bom quanto o da grande rede de restaurantes. Com um grande adicional: você sabe exatamente o que tem dentro do pão que você fez.

Essa receita é muito perfeita, e o pão fica muito parecido com o do Outback. A grande diferença é que no pão servido na rede, ele leva algumas doses de flavorizantes artificiais de mel.

Como eu sei que leva flavorizantes artificiais? Porque ao experimentá-lo é nítido o sabor forçado de mel que dá para sentir do pão.

Uma observação muito interessante sobre pães australianos: eles não existem na Austrália. Sua invenção vem dos EUA e usam como base o pão de centeio australiano. Que, na minha opinião não se parece em nada com o pão australiano.

Principalmente, porque a a base da receita americana para fazer o pão australiano é o mel, cacau e o centeio. Já o pão de centeio australiano não leva mel nem cacau, deixando o pão de centeio australiano com uma colocarão completamente diferente do que conhecemos como “pão australiano”.


Vamos a receita:

  • 500g de farinha de trigo
  • 300g de farinha de centeio
  • 50g de fermento biológico fresco ou 17g de fermento biológico seco
  • 200g de água
  • 4 ovos
  • 30g de cevada
  • 30g de cacau em pó (100%)
  • 100g de mel
  • 50g de melado
  • 100g de manteiga
  • 20g de açúcar mascavo
  • 10g de sal
  • fubá para polvilhar

MODO DE PREPARO:

  1. colocar todos os ingredientes secos em uma tigela funda;
  2. misturar bem;
  3. misturar todos os outros ingredientes com exceção da água;
  4. sovar bem até misturar todos os ingredientes;
  5. ir adicionando água aos poucos até que a massa esteja completamente misturada e não pegajosa, sem que a massa de farinha não grude nas mãos;
  6. sovar bem, por uns 5 minutos na mão (1 a 2 minutos na batedeira na velocidade máxima);
  7. deixar a massa descansando por 20 minutos e sovar novamente por mais 5 minutos (1 a 2 minutos na batedeira em velocidade máxima);
  8. separar a massa na quantidade desejada, fazer os formatos desejados podendo ser os cilindros tradicionais já conhecidos ou bolas;
  9. polvilhar fuba por cima da massa;
  10. com o auxílio de uma faca extremamente bem afiada ou então um estilete faça cortes transversais finos na massa cilíndrica ou então em cruz para as massas no formato de bola.
  11. deixar fermentando lentamente, com um pano úmido por cima. Em um local fresco e arejado por aproximadamente 5 horas. Tomar cuidado e verificar de hora em hora se a fermentação não passou do ponto.
  12. colocar os pães em forno pré aquecido à 300°C, por 15 a 20 minutos e depois diminuir a temperatura do forno para 180°C e deixar por mais 20 minutos. Ou até que os pães estejam assados.
P_20170330_190029.jpg
Os pães já assados, como ficam lindos. Normalmente eles triplicam de volume

Espero que tenham gostado, um grande abraço a todos e não deixem de comentar.

 

 

 

 

 

 

Pão de Hambúrguer sem glúten – Especial GreenNation

img-20161125-wa0223

Fui convidado para participar de uma das oficinas de alimentação saudável (para crianças e adolescentes) para o evento GreenNation.

Resolvi então refazer uma receita de pão de hambúrguer que já tinha feito em outra ocasião, junto com duas receitas de hambúrgueres caseiros para acompanhar.

Falar de ambiente e sustentabilidade na alimentação para mim é importantíssimo pensar em todos os referenciais que tenho sobre commodities e mercadoria.

Por isso acho importante a divulgação de novas preparações que fujam dos habituais produtos das prateleiras dos supermercados. Prefiro pensar que quando eu deixo de comprar um hambúrguer industrializado estou “quebrando” toda uma cadeia produtiva de consumo que se baseia em: embalagens, conservantes, ingredientes desconhecidos e total desinformação da quantidade de insumos que foram colocados ali dentro.

Para vocês terem uma ideia, a Portaria Ministerial nº 574, de 8 de dezembro de 1998, regulamenta que hambúrgueres industrializados podem conter até 23% da gordura animal daquele produto específico. Isso quer dizer que, em cada 100g de hambúrguer que preparo estou consumindo 22g de gordura animal (2 COLHERES DE SOPA CHEIAS DE SEBO).

Dessa forma eu sempre preferi a ideia de nós mesmo fazermos nosso próprio alimento.

Assim: eu sei como eu fiz, eu sei a qualidade dos produtos ali utilizados e as condições higiênicas ali envolvidas.

Bom, vamos as receitas.


Pão de hambúrguer de polvilho sem glúten

Rendimento: 20 mini pães

Ingredientes:

  • 8 xícaras de polvilho azedo
  • 8 ovos
  • 4 batatas pequenas
  • 2 colheres de café de sal
  • 2 colheres de sopa de açúcar
  • 140ml de azeite
  • 2/3 de farinha de linhaça
  • 20 gramas de fermento biológico seco

Modo de preparo:

  • cozinhar as batatas com casca. Depois de cozidas, amassar até obter um purê. Esperar esfriar antes de misturar com os outros ingredientes.
  • Em uma tigela, coloque todos os ingredientes e misture muito bem.
  • Fazer pequenos boleados com as mãos e coloque um a um em uma forma untada ou então antiaderente.
  • Para mini Hambúrgueres, utilize 60g de massa.
  • Para Hambúrgueres tradicionais, utilize 100g de massa.
  • Deixar a massa descansando por uma hora, para fermentar em um local quente e arejado.
  • Colocar o forno para esquentar em 300°C e deixar por 10 minutos.
  • Ao colocar os pães no forno, abaixar a temperatura para 190°C. deixar por aproximadamente 30 a 45 minutos. ou até que o fundo da massa esteja ligeiramente corados.

Hambúrguer de grão de bico vegano

Rendimento: 4 porções

 Ingredientes:

  • 100g Grão de bico
  • ½ unidade pequena de cebola
  • 50g de Azeite
  • 1 colher de chá Sal
  • Pitada de pimenta do reino
  • Quanto baste de amido de milho
  • 1 molho pequeno de salsa

 Modo de preparo:

  • Cozinhar os grãos de bicos previamente e descartar sua água de cocção. Deixar em um bolw por duas horas afim que seus grãos fiquem mais secos.
  • Passar os grãos de bicos no processador até que fique em consistência homogênea.
  • Adicionar a cebola micro picada, o sal, o azeite, a pimenta e a salsa picada. Misturar bem.
  • Por último, acrescente o amido de milho e vá misturando aos poucos até obter uma consistência adequada para moldar a massa com as mãos.
  • Pegar uma quantidade suficiente para fazer os moldes dos hambúrgueres com as mãos.
  • Depois de moldados, untar levemente com amido de milho.
  • Colocar azeite em uma frigideira e gralhar os hambúrgueres até ficarem dourados.
  • Montar o hambúrgueres e servir.

 

Hambúrguer tradicional

Rendimento: 4 porções

 Ingredientes:

  • 350g Carne moída processada duas vezes (patinho, ou lagarto plano)
  • 2 colheres de sopa de cebola picada
  • 1 dente de alho picado
  • 1 colher de chá de Sal
  • Pitada de pimenta do reino

 Modo de preparo:

  • Processar a carne moída duas vezes, afim de que ela fique bem misturada.
  • Em uma tigela, adicionar o azeite, sal, pimenta e o alho picado. Misturar bem e amassar bem com as mãos ou com o auxílio de um batedor.
  • Separar as carnes em bolos de 100g. fazer os moldes, boleando com as mãos.
  • Colocar azeite em uma frigideira e gralhar os hambúrgueres até ficarem dourados.
  • Montar o hambúrgueres e servir.

Pão de queijo feito em forma

Amigos, peço desculpas ao longo período em que estive fora de meus pots. Finalmente estou de volta e com força total. Pretendo fazer um post novo por semana de receitas e além disso estarei escrevendo algumas críticas sobre gastronomia e nutrição. Críticas nas quais acho válidas de compartilharem com vocês.

Caso desejem enviar um email, basta clicar aqui.caneles_stemilion

A receita de hoje é uma variação de uma antiga receita que tenho de pão de queijo de sanduicheira e, resolvi fazer na forma que tenho de bolinhos de cannelé de Bordeaux, no entanto pode se usar qualquer tipo de forma antiaderente.

Segue a receita:

  • 3 ovos
  • 1 xícara de leite
  • 2 xícaras de polvilho azedo
  • 1 colher de sopa de sal
  • 1/3 de xícara de azeite ou qualquer gordura de sua preferência.
  • 1 1/2 xícara de queijo minas padrão ralado no ralo fino.

Modo de Preparo:

Misture todos os ingredientes com o auxílio de um batedor, colher de silicone ou batedeira até que tudo fique homogêneo.

obs.: a massa deverá ficar na consistência líquida.

Coloque a massa nas formas, porém somente até a metade e coloque no forno previamente aquecido à 200°C, por 30 a 45 minutos aproximadamente.

O resultado é esse. Na forma os pães de queijo tendem a ficarem bem macios e sem muita casca típicos dos pães de queijo tradicionais. Isso porque, a própria forma oferece uma proteção para os pães que estão assando, deixando-os mais macios, fofos e concentrados de sabor.

Espero que tenham gostado, pois estavam maravilhosos.

 

Vamos trocar sementes???

Essa é a proposta desse maravilhoso site, o SEMENTERIA  quee encontrei em trocas de conversas do Slowfood Brasil. Achei sua proposta muito inovadora e interessante.

Dando uma olhada no site, consegui encontrar plantas principalmente ervas que há muito tempo estava procurando para plantar e não conseguia achar.

n230_coentro_bravo-700x525
Manjericão bravo

Encontrei, ervas de alfavaca, manjericão zaatar e coentro do norte que em alguns lugares é chamado de coentro selvagem ou bravo pois dá um sabor forte e marcante de coentro e tem uma aparência um pouco mais “selvagem” por conta de suas folhas em formato de espinhos

Não deixem de olhar o site e boas trocas


Como Funciona e Política de Uso

O propósito do site Sementeria é facilitar a troca e doações de sementes de plantas lícitas no Brasil.

Você pode pesquisar todas as sementes que os usuários do Sementeria disponibilizam no site e, se estiver interessado em alguma, basta se cadastrar (ou logar se já for cadastrado) para entrar em contato com o guardião da semente. Algumas pessoas aceitam doar suas sementes, outras podem aceitar somente a troca. Essa conversa, como a troca de endereço e/ou depósito bancário referente aos custos de envio, são feitas através de e-mail.

Não é permitida a venda de sementes através do site.

Não é permitido o cadastro de sementes de plantas ilícitas. Por favor, denuncie para contato@sementeria.com.br.

O serviço é gratuito e trabalha por doação para cobrir custos de servidores. Você pode contribuir com qualquer valor:

Biscoitinhos tipo sequilhos. Você escolhe, sem glúten ou não

 

O objetivo desse biscoito é servir como base para outros tantos que você poderá fazer.

É um biscoito básico que servirá para auxiliar em sua imaginação, podendo transformá-lo em sem glúten, ou então, ricos em aveia bem como prepará-los de chocolate, bastando fazer pequenas modificações na receita.

Para adicionar aveia, basta substituir a farinha de trigo pela farinha de aveia. Caso deseje acrescentar pedaços de chocolates e, deixar em estilos cookies, acrescente 350g de chocolate meio amargo em pedaços à receita tradicional ou ao sem glúten, não deixando perder suas características.

Gosto pela praticidade, ser relativamente neutro e todas as crianças adoram.

Pratique essa ideia,  faça biscoitos caseiros para seus filhos e sua família. Dessa forma, além de você economizar, também, saberá exatamente o que está comendo.

Abaixo, fiz duas receitas. Uma elaborada com amido de milho, farinha de trigo integral (Tradicional) e, a outra com a substituição para deixá-la sem glúten.

Tradicional:

  • 700g de amigo de milho
  • 300g de farinha de IMG_6669trigo integral
  • 350g de açúcar demerara
  • 300g de manteiga
  • 1und. ovo
  • 200 a 250ml de água

Sem Glúten

  • 700g de amido de milhoIMG_6667
  • 300g de farinha de arroz integral
  • 350g de açúcar demerara
  • 300g de manteiga
  • 1 und. ovo
  • 200 a 250g de água

Preparo:

  • Misturar todos os ingredientes (menos a água) em um bowl;
  • Ir acrescentando a água aos poucos até adquirir a consistência de IMG_6671uma massa homogênea e sem grudar nas mãos;
  • Fazer pequenas bolinhas e colocar direto em uma forma de teflon;
  • Dar pequenas amassadas com o garfo nas bolinhas;
  • Colocar no forno à 200°C por aproximadamente 15 a 20 minutos ou até que o fundo dos biscoitinhos estejam ligeiramente corados. Deixar esfriar antes de retirar da forma;